Rádio Evangelho FM

Leitores Online

domingo, 17 de abril de 2011

Filhos aos Cuidados da Sabedoria!


“Ouvi, filhos, a instrução do pai e estai atentos para conhecerdes o entendimento; porque vos dou boa doutrina; não deixeis o meu ensino. Quando eu era filho em companhia de meu pai, tenro e único diante de minha mãe, então, ele me ensinava e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos e vive; adquire a sabedoria, adquire o entendimento e não te esqueças das palavras da minha boca, nem delas te apartes. Não desampares a sabedoria, e ela te guardará; ama-a, e ela te protegerá.” (ou como traduziu a NVI: “ela cuidará de você”) Provérbios 4.1-6

Os pais, por mais que desejem, não podem “cuidar” do filho (a) a vida inteira ou o tempo todo, não é verdade? Por isso, nossa nobre tarefa é influenciar o filho (a) de tal forma que a sabedoria que adquirirá na convivência conosco “cuidará deles”!

David Blankenhorn, presidente do Institute for American Values, em Nova York, e autor do livro Fatherless America: Confronting our Most Urgent Social Problem (Menos pai na América: Confrontando nosso problema social mais urgente), escreve em sua obra a respeito da importância do pai (p.219): "Se as mães cuidam mais das necessidades físicas e emocionais dos filhos, os pais voltam-se mais para as características da personalidade, necessárias para o futuro, especialmente qualidades como a independência e a capacidade de testar limites e assumir riscos."

O sociólogo David Popenoe, em Life Without Father (“Vida sem Pai”) (Cambridge: Harvard University Press; p.144) comenta que "enquanto as mães proporcionam uma importante flexibilidade e harmonia na disciplina dos filhos, os pais proporcionam o desenvolvimento e a solidez da personalidade. Os dois lados são importantes para uma educação eficiente, equilibrada e humana."

Aqui no Brasil, segundo o estudo da Secretaria de Ação Social do Distrito Federal, realizado com adolescentes do Centro de Atendimento Juvenil Especializado, o número de jovens que cometem delitos é maior entre os que foram criados longe do pai. A psicóloga Elda Pereira, supervisora do Setor de Execução de Medidas Socioeducativas da Vara da Infância e da Juventude, confirma os dados do estudo: ''Nossa experiência mostra que a maioria dos jovens atendidos vem de famílias desestruturadas, em que o pai realmente está distante da criação dos filhos."

Desse modo, o pai já ocupa o lugar de 3ª maior influência na vida dos filhos. A mídia está em 1º lugar e, em seguida, vêm os amigos. Sendo assim, o que o pai pode fazer para influenciar seu filho (a) de tal maneira que a sabedoria que ele (a) vai adquirir através dessa convivência cuide dele (a)?

1. SEJA UM ÓTIMO REFERENCIAL DE RELACIONAMENTO: O versículo 3 do Provérbio 4 reflete as memórias de um homem: “Quando eu era filho em companhia de meu pai...” O seu filho está observando como você lida com as pessoas a sua volta e isso determinará como ele vai tratar as pessoas com as quais manterá algum tipo de relacionamento. Pense por um instante: Como trata a sua esposa? Como você trata os filhos? Que tipo de atenção você dispensa ao frentista do posto, à garota que trabalha como caixa no supermercado, ao garoto que pede esmola no semáforo? Como você reage às autoridades? Como você trata os vizinhos? Seus filhos não se relacionarão melhor com o mundo externo do que da forma como eles têm visto seu pai (também mãe!) se relacionar.

2. SEJA UM RESPEITADO MESTRE: Dentre as memórias do escritor do Provérbio já citado, encontramos ainda: “...então, ele me ensinava” (v.4). Quem tem filho precisa aprender que filhos estão sempre aprendendo e, ou os pais ensinam ou eles aprenderão em qualquer outra lugar com outra pessoa qualquer. Talvez o pai tenha que conversar mais com seu filho (a). É importante considerar que aquele filho que dá mais trabalho precisa de redobrada atenção, ou mesmo numa fase onde apresenta maiores dificuldades, deve ser o período de maior atenção.

3. SEJA UM GRACIOSO ENCORAJADOR: Quem escreveu o Provérbio 4 diz que se lembrava do que o pai dizia.(cf. v.4) Eram palavras encorajadoras! O pai não pode o tempo todo repreender seu filho; palavras estimulantes de um pai têm um valor incalculável e ficarão cravadas na mente do filho (a). É por isso que o Antigo Testamento enfatiza a benção do pai sobre um filho. O que o pai dizia ao filho na benção em certo sentido esboçava seu futuro!

Você já parou pra analisar como se comportam os seus filhos? Se são ainda bebês devem trocar o dia pela noite, se são crianças devem chorar por qualquer coisa, querer tudo que vê pela frente e testar seus limites à toda hora. Se forem adolescentes, devem estar preocupados com a aparência; alguns se acham feios; desorganizados; enrolados; barulhentos e desengonçados. Se já são jovens, não cansam de ver TV, falar no telefone, ir ao shopping, e devem detestar ouvir sermão, ou conselhos.

De qualquer modo, conheça melhor seu filho (a)! Seja gracioso, paciente, compassivo, sensível às necessidades do momento em que está vivendo, mas, sobretudo, encoraje-o a ser uma pessoa sábia. Você não pode estar o tempo todo perto dele (a), mas se a sabedoria fizer parte de sua vida, estará bem protegido (a)!










Por: Pr. Antonio Lazarini Neto
Postar um comentário