Rádio Evangelho FM

Leitores Online

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

A fúria dos invejosos


"Seus irmãos pois o invejavam: seu pai porém guardava este negócio {no seu coração.}" Gen. 37:11

A inveja é algo que precisamos aprender a lidar na nossa vida, pois em todos os lugares, sempre existirão invejosos, enfim, pessoas que se entristecem com as nossas vitórias e que, por vezes, farão de tudo para destruir os nossos sonhos.

Quem não se lembra de ter chegado perto de alguém para contar uma conquista e esta pessoa, ao invés de se alegrar, expressou um sentimento de fúria ou de ódio, como aconteceu com José, quando contou aos seus irmãos o sonho que tivera? "Então lhe disseram seus irmãos: Tu pois deveras reinarás sobre nós? Tu deveras terás domínio sobre nós? Por isso tanto mais o aborreciam por seus sonhos e por suas palavras" (Gen. 37:8). A grande verdade é que os invejosos estão a nossa volta, pois a inveja é um sentimento carnal que encontra espaço no coração dos fracos. Enfim, no coração daqueles que não têm garra e coragem de lutar pelos seus sonhos e que não conseguem se alegrar com os que alegram. E, especialmente, daqueles que não entendem que Deus tem uma porção para cada um. Cada um tem as suas conquistas. Mas, infelizmente, os invejosos não entendem esta verdade e vivem a criticar, a se entristecer com o sucesso alheio e demonstram ódio pela prosperidade daqueles que estão a sua volta.

O que fazer então para lidar com os invejosos? Em primeiro lugar, eu diria que é preciso guardar o coração. José, ao contar para seus irmãos o seu sonho, foi odiado. "Sonhou também José um sonho, que contou a seus irmãos: por isso o aborreciam ainda mais" (Gen. 37:5). Ou seja, ainda que venham a nos odiar, não podemos dar importância e este sentimento, fazendo com que o nosso coração se encha de mágoa e de rancor. Como sabemos, no final da história, José perdoou os seus irmãos por entender que tudo fazia parte do plano de Deus para a sua vida, pois Deus usa até mesmo os invejosos para nos habilitar.

Em segundo lugar, penso que para vencer os invejosos precisamos continuar lutando pelos nossos sonhos. Os invejosos farão de tudo para destruir a nossa esperança. Eles usarão palavras de desânimo, se levantarão contra nós, enfim, tentarão criar todo um ambiente para nos prejudicar. Mas o segredo é continuarmos a nossa caminhada, crendo que o Senhor conhece os que são seus e nos honrará no seu tempo devido. Além disso, as maldições dos invejosos não prosperarão, é promessa no Senhor sobre as nossas vidas (Prov. 26:2). Não podemos viver angustiados com as ações dos invejosos e muito menos com os seus comentários maldosos. Ao contrário, precisamos continuar fazendo a nossa parte, pois o Senhor nos recompensará.

E, em último lugar, digo que existe uma arma letal contra os invejosos - o amor. O amor é o sentimento mais forte que existe. Quando amamos os invejosos, eles se enfraquecem e nós somos fortalecidos. "Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça" (Rom. 12:20). Como podemos perceber, o objetivo da inveja é justamente suscitar o ódio nos corações. Vemos isto no relato do primeiro homicídio. Caim, inflado de inveja, assassinou o seu irmão Abel. Saul, tomado por inveja, perdeu o seu reinado e tentou a todo custo destruir a vida de Davi. Mas, no coração daquele ama, não há lugar para o ódio e a destruição. Por isto, afirmo com veemência que quando invejados, precisamos aprender a amar, como José amou os seus irmãos. "Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós" (Gen. 45:5)

Que possamos, portanto, aprender a lidar com os invejosos. E que em nosso coração não haja espaço para este sentimento. Que possamos nos alegrar sempre com as vitórias e conquitas daqueles que caminham conosco. Que possamos viver a nossa vida, seguir o nosso caminho e desfrutar das porções que Deus nos dá com um coração limpo.
 
 
Por: Pra. Ioná Loureiro
Postar um comentário