Rádio Evangelho FM

Leitores Online

quinta-feira, 8 de julho de 2010

A Sedução dos Tempos Finais


Quando os discípulos perguntaram a Jesus quais seriam os sinais da Sua volta, entre outras coisas Ele falou de sedução: "Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos" (Mt 24.4-5).

Provavelmente nunca antes foram oferecidos tantos "cristos" às pessoas como hoje em dia. O esoterismo, amplamente espalhado e que tornou-se socialmente aceitável, apresenta-nos seu "cristo" afirmando que tudo é divino. Por isso, seus adeptos adoram todas as coisas, como pedras, animais, espíritos, etc.

Esses falsos "cristos" evidentemente oferecem um falso evangelho, que na verdade não é evangelho e, portanto, também não pode ajudar as pessoas. Li, por exemplo, em um jornal:

Pesquisadores americanos desvendam novo evangelho

Dois cientistas americanos conseguiram, segundo suas próprias afirmações, descobrir no mínimo seis evangelhos considerados perdidos. Eles conteriam, muito provavelmente, relatos autênticos dos ensinos de Cristo no primeiro e segundo séculos.

Na opinião desses cientistas, além dos quatro Evangelhos haveria pelo menos mais seis relatos de discípulos de Cristo. Por último havia sido redescoberto em 1945, no Egito, o evangelho de Tomé.

O manuscrito foi escrito em língua copta, usando o alfabeto grego, disse Paul Mirecki, cientista religioso da Universidade de Kansas. O copta era falado na época principalmente no Egito, disse o especialista em manuscritos antigos. O autor teria sido, provavelmente, um membro da minoria cristã dos gnósticos, dos conhecedores.

Ele redigiu o texto em forma de diálogo, apresentando conversas de Jesus com Seus discípulos após Sua ressurreição. O tema seria a redenção através do conhecimento. Isso lançaria uma luz completamente nova sobre as origens do cristianismo, disse Mirecki. A mensagem do texto seria: o conhecimento, e não a fé, leva à redenção – um ensino que a igreja oficial foi obrigada a rejeitar.

O fato de terem sido encontradas somente 15 páginas do manuscrito original provavelmente indicaria uma queima de livros no século 5, disse Mirecki. No decorrer dos séculos, muitas minorias cristãs teriam desaparecido. Algumas acabaram integradas na igreja católica ou na igreja ortodoxa, outras foram eliminadas devido ao seu desvio doutrinário. Por isso, o manuscrito seria também uma prova da existência de minorias religiosas. (Der Zürcher Oberländer)

A Bíblia ensina: "Amados, não deis crédito a qualquer espírito: antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora" (1 Jo 4.1). E em 2 Coríntios 11.13-15 ela diz: "Porque os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar; porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus próprios ministros se transformem em ministros de justiça; e o fim deles será conforme as suas obras."

Na notícia anteriormente citada não é revelado um novo evangelho, mas, sim, um "outro evangelho". Pois nela se rejeita a fé, colocando-se em seu lugar o conhecimento. Isso, entretanto, jamais pode ter sido dito por Jesus. Justamente Jesus destacou, com palavras claríssimas, exclusivamente a fé como base da salvação:


•"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome" (Jo 1.12).
•"...para que todo o que nele crê tenha a vida eterna" (Jo 3.15).
•"Por isso quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus" (Jo 3.36).
•"Em verdade, em verdade vos digo: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida" (Jo 5.24).


Em outras passagens, a Bíblia nos ensina com muita clareza que o conhecimento sem fé jamais pode levar à salvação. Pelo contrário, Deus transformou em loucura o conhecimento que se nega a crer, para destacar a fé, evidenciando que a fé em Jesus Cristo está acima de qualquer conhecimento: "Certamente a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos entendidos. Onde está o sábio? onde o escriba? onde o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar aos que crêem, pela loucura da pregação" (1 Co 1.18-21).

O que realmente deveríamos conhecer é que somos salvos exclusivamente pela fé em Jesus (e não por obras!): "...sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e, sim, mediante a fé em Cristo Jesus, também nós temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois por obras da lei ninguém será justificado" (Gl 2.16).

Simplesmente não é possível que o mesmo Cristo tenha ensinado mais tarde algo diferente, totalmente contrário às Suas afirmações anteriores. Não pode ser que os quatro Evangelhos e o ensino do Novo Testamento tenham sido escritos, concluídos e divulgados há quase 2000 anos, para que agora, após esses 2000 anos, apareça algo novo (comp. Ap 22.18-19). Não, aqui se trata evidentemente de um outro evangelho, que não é de Deus, e pretende afastar da fé em Jesus como único caminho até Deus (comp. Jo 14.6). Também a esse respeito a Bíblia fala com muita clareza: "Mas, ainda que nós, ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema" (Gl 1.8-9).


Por: Norbert Lieth

Postar um comentário