Rádio Evangelho FM

Leitores Online

domingo, 15 de outubro de 2017

O Sentido da Vida...

...sempre preocupou a humanidade. "Por que vivo?", "Qual a razão da vida?", "Qual o objetivo de viver?"

Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: "Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou." • Edmund Cooke afirmou: "Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida." • Colton: "A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte." • Shakespeare: "Viver é uma sombra ambulante." • R. Campbell: "Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados." • Rivarol: "Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro."

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.

Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: "Eu sou... a vida" (João 14.6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: "Porquanto, para mim o viver é Cristo" (Filipenses 1.21).

 Por isso, também o apóstolo João começou sua primeira epístola com as palavras: "O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da vida (e a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada)" (1 João 1.1-2).

Uma revista esportiva resumiu da seguinte forma a vida de um famoso ex-treinador e comentarista esportivo:

Eu acreditava que 20 anos de fama bastariam... talvez ganhar três campeonatos e então, no auge, com 53/54 anos, parar... Depois eu pretendia recuperar tudo o que tinha perdido, por causa do muito tempo que estive viajando... Agora tudo parece tão sem sentido... Mas aquela ânsia incontrolável de conquistar o mundo não podia ser freada... Ao se ficar doente, chega-se à conclusão: "o esporte não significa mais nada" – esse pensamento é simplesmente terrível.

Alguém disse certa vez: "Qual o significado da vida, quando ela se torna ‘antigamente’?" Sem Jesus, que é a vida em todo o seu significado presente e eterno, a vida na terra oferece no máximo "sucesso vazio", e mesmo esse se esvai no final como areia entre os dedos. Por isso, dê ouvidos à voz de Jesus, que resume o sentido da vida numa única frase: "E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste" (João 17.3). 


Por:  Norbert Lieth

O Caminho Errado em Busca do Perdão

Rádio cristã oferece confissão eletrônica
Confessar-se "online" – até isso já é possível. A estação de rádio "Premier Christian Radio" de Londres oferece aos ouvintes a possibilidade de confessar pecados, demonstrar arrependimento e receber o perdão de Deus em seu site na internet.

Segundo informações da própria emissora, ela seria a primeira a dispor de um confessionário virtual. O endereço "www.theconfessor.co.uk" oferece duas alternativas: entrar em contato com um conselheiro real por telefone ou confessar os pecados em um espaço virtual. Nada é arquivado; o segredo da confissão é preservado, assegura Peter Kerridge, o diretor da estação. Durante a consulta, o internauta pode ler versículos bíblicos que falam do amor, da misericórdia e do perdão de Deus, projetados em um fundo com céu azul e nuvens brancas. A "Premier Christian Radio" tem aproximadamente 200.000 ouvintes. (P.D. 4/2000)

O confessionário sempre dificultou a aproximação das pessoas de Deus. Eu mesmo fui criado em um lar católico. Muitas vezes estive no confessionário para confessar meus pecados – mas jamais recebi perdão através disso. Por que não? Porque me faltava o relacionamento pessoal com Jesus Cristo. Somente quando reconheci isso, e fui atraído a Jesus pela graça de Deus, confessando diretamente a Ele os meus pecados e convertendo-me a Ele, é que obtive a certeza do perdão dos meus pecados e a salvação da minha alma. Mesmo que o apoio de um conselheiro espiritual possa ser uma grande ajuda, a Bíblia nada ensina acerca de um confessor ou de um confessionário onde os nossos pecados seriam perdoados. Em Seu Filho Jesus Cristo, Deus nos ofereceu o caminho melhor e direto para alcançarmos o perdão dos nossos pecados. Jesus Cristo é o único Mediador entre Deus e os homens, e através dEle chegamos diretamente ao Pai: "Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos" (1 Tm 2.5-6). Por que usar um desvio, se existe o caminho direto para alcançar o perdão dos pecados? A obra de Jesus por nós na cruz é perfeita, sendo absolutamente suficiente. Sua obra foi consumada plenamente, de modo que aqueles que aceitam a Jesus como seu Salvador pessoal não recebem "apenas" o perdão, mas são justificados por toda a eternidade. Em Romanos 3.24 está dito claramente: "Sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus" (veja também Rm 5.1; 2 Co 5.19; Ef 2.8-9). Qualquer pessoa, culpada de quaisquer pecados, pode chegar diretamente a Jesus, clamar pelo Seu nome e pedir-Lhe perdão. Não precisamos mais dos sacrifícios do Antigo Testamento, não necessitamos usar o desvio pelo confessionário e também não precisamos fazer penitências. Essa libertação maravilhosa tem que ser anunciada às pessoas através do Evangelho, por exemplo, com as palavras de 1 João 1.9: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça". Mas queremos salientar que, ao confessarmos nossos pecados a Jesus, devemos igualmente confessar aos homens as injustiças que cometemos e, quando possível, tentar reparar o mal feito (dano financeiro etc.). 


Por:  Norbert Lieth

O que Jesus fará após o Seu retorno?

Cremos que, algum tempo após o nosso arrebatamento ao céu, Jesus Cristo voltará conosco à terra. O que o Senhor fará então? Eis uma breve exposição a respeito.

A Bíblia cita seis atos essenciais que Jesus executará após o Seu retorno à Terra.

1) Cristo vencerá o Anticristo e seus exércitos (Ap 19.19-21). Conta-se que alguns soldados do exército do imperador romano Juliano, o Apóstata (332-363 d.C.) torturaram um cristão durante um deslocamento deles à Pérsia. Cansados da sua brincadeira cruel, olharam para sua pobre vítima e perguntaram-lhe zombando: “Onde está agora o seu deus carpinteiro?” O homem olhou para eles com seu rosto ensanguentado e disse: “Está construindo um caixão para o imperador de vocês”. Quando o Senhor Jesus retornar, o Anticristo e todos os outros líderes ímpios serão aniquilados pelo Deus de quem zombaram.

2) Cristo reunirá o Israel fiel para restaurá-lo (Rm 11.26). A promessa talvez mais citada no Antigo Testamento é a de que um dia Deus reunirá e restaurará o povo de Israel (Is 43.5-6; Jr 30.10; 33.6-9; Ez 36.24-38; 37.1-28). O processo de reunião de Israel começou em 1948, quando nasceu o atual Estado de Israel, e prossegue até hoje, devendo continuar até a Segunda Vinda de Cristo. Durante o período da Tribulação, Israel será disperso pela última vez (Zc 14.1-2), e na sua Segunda Vinda Cristo reunirá os judeus crentes para restaurá-los como Seu povo (Is 11.11-16; Ez 39.25-29). 

Mateus 24 descreve a dispersão dos judeus durante a Tribulação (24.15-21) e sua subsequente reunião sob o Messias: “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as nações da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com grande som de trombeta, e estes reunirão os seus eleitos dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus (Mt 24.30-31).

3) Cristo julgará os que estiverem vivos. Por ocasião da Sua vinda, todos os homens de todas as nações que tiverem sobrevivido à Tribulação comparecerão diante Dele. Nessa ocasião se verificará se eles poderão entrar em Seu reino (Mt 25.31-46). Esse julgamento é chamado de “separação das ovelhas dos bodes”. Cristo também reunirá todos os judeus vivos do deserto para determinar quem entrará no Seu reino (Ez 20.33-38).

4) Cristo ressuscitará os mortos. Um dos eventos subsequentes à Sua Segunda Vinda será a ressurreição dos crentes do Antigo Testamento e da Tribulação. Eles serão ressuscitados e premiados para reinarem com Cristo (Ap 20.4-6; ver também Dn 12.1-4). Os crentes neotestamentários oriundos da Era da Igreja não participarão desta ressurreição porque os crentes que morrerem durante a presente era (o período da Igreja) já ressuscitarão por ocasião do Arrebatamento que ocorrerá sete anos antes.

5) Cristo prenderá o Diabo (Ap 20.1-3). Será a primeira providência de Jesus após o Seu retorno. Um poderoso anjo o agarrará e o lançará por mil anos no abismo. Após esse período, ele será solto brevemente.

6) Cristo assumirá o Seu reinado (Ap 19.16). Cristo retornará como Rei dos reis e Senhor dos senhores! Ele se assentará em Seu maravilhoso trono e reinará sobre a Terra (Dn 2.44; Mt 19.28; Lc 1.32-33).

Eis que ele vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todos os povos da terra se lamentarão por causa dele. Assim será! Amém (Ap 1.7). 


Por:  Mark Hitchcock

Boletim Informativo PIB Ano XXXVIII - Nº: 54 - 15/10/2017


Por: Portal Volta Cristo